Buscar
  • Karla J. Silva-Souza e Alexandre F. Souza

Pesquisa brasileira descobre que efeito da mudança climática nas florestas depende do histórico de p


Paisagem da Mata Atlâncita na Serra Gaúcha, Rio Grande do Sul.

Dois pesquisadores brasileiros, Alexandre F. Souza (UFRN) e Solon Jonas Longhi (UFSM) publicaram uma pesquisa na revista científica britânica Ecology and Evolution [1]. A pesquisa avaliou a resposta da dinâmica da Mata Atlântica a mudanças no clima. Entre os principais resultados estão:

1) O clima do extremo sul da Mata Atlântica, no nordeste do estado do Rio Grande do Sul está mudando. Os pesquisadores analisaram dados climáticos dos últimos 100 anos e descobriram um aquecimento e aumento da quantidade de chuvas no clima da região, que é temperado subtropical.

2) A composição e espécies foi muito diferente entre florestas que haviam sofrido corte seletivo de árvores comerciais no passado e aquelas conservadas, que nunca sofreram perturbações.

3) Ao longo dos 9 anos do estudo, porém, as mudanças na composição foram mínimas, indicando que as florestas que sofreram o distúrbio da extração madeireira não estão passando por uma sucessão ecológica para recuperação das espécies perdidas.

4) A biomassa contida nas árvores cresceu durante o período de estudo, mas cresceu mais nas áreas conservadas que nunca sofreram extração, devido à presença das araucárias nestas áreas. O aumento de biomassa corresponde ao que tem sido previsto para o aumento de CO2 na atmosfera.

Como as araucárias foram removidas das áreas que sofreram extração e suas populações não se recuperaram mesmo depois de 55 anos, isso mostra como a remoção de espécies pioneiras de vida longa como as araucárias podem impactar a resposta da Mata Atlântica às mudanças climáticas.

5) As florestas que sofreram extração de madeira há décadas atrás ainda tem menor diversidade funcional e falta de grupos ecológicos inteiros como pioneiras, pioneiras de vida longa e araucárias.

Os pesquisadores recomendaram um manejo ecológico capaz de promover a recuperação dos grupos ecológicos de árvores que tem tido dificuldade de recuperação nas áreas que sofreram extração.

Acesse o artigo na íntegra no endereço:

https://rdcu.be/bEF6I

A pesquisa foi financiada pelo CNPq [2] com recursos públicos, e os dois pesquisadores trabalham em Universidades Federais.

Referências

[1] Souza, A.F., and Longhi, S.J. 2019. Disturbance history mediates climate change effects on subtropical forest biomass and dynamics. Ecol. Evol. 00: ece3.5289. doi:10.1002/ece3.5289.

[2] Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, órgão do Governo Federal.

#MataAtlantica #FlorestaOmbrofilaMista #florestastropicais #RioGrandedoSul #MudançasClimáticas #AquecimentoGlobal #Dinâmica #araucarias #biomassa #gruposecológicos #gruposfuncionais #ecologia #ciência #clima

77 visualizações
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now